Notícias

30 Jun
academia-reforca-aposta-da-santa-casa-de-barcelos-na-formacao

Academia reforça aposta da Santa Casa de Barcelos na Formação

Foi apresentada, esta quarta-feira, a Academia de Formação da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos (SCMB). Após o trabalho de seis anos do Centro de Formação, a Academia representa um reforço da aposta na formação, conforme explicou o provedor, também responsável pela área, Nuno Reis: “A Academia de Formação representa o aprofundamento da aposta estratégica da SCMB na formação das pessoas, na capacidade de tentar atrair o melhor talento para servir as pessoas que precisam da nossa ação diária, um compromisso também de continuar a ajudar a melhorar a capacidade de, na comunidade, outras instituições como a nossa poderem também prestar os melhores cuidados a quem deles precisa”. A Academia de Formação da SCMB, que arrancou ontem, foi criada com a missão de responder às necessidades formativas de colaboradores da Misericórdia de Barcelos e de outras organizações, bem como da própria comunidade, assentando em três pilares: Conhecimento & Capacitação; Talento & Inovação; Sustentabilidade & Cooperação. Na sessão, foram atualizados números que refletem o trabalho feito ao longo dos últimos seis anos, com uma intervenção junto dos colaboradores, mas também da comunidade, capacitando e qualificando as pessoas. “Estamos a falar de 3100 formandos certificados em sete áreas de saber. Ensinar é também uma Obra de Misericórdia e aprender é um dever de cada um de nós, de qualquer pessoa que queira evoluir enquanto pessoa, enquanto cidadão e enquanto profissional”, sublinhou Nuno Reis. “Criar uma Academia é gerar um compromisso com todos os colaboradores, com a comunidade e com o mundo”, atentou Generosa do Nascimento, especialista do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, que colabora com a Misericórdia de Barcelos. A resposta aos desafios, defendeu, passa por “criar valor diariamente para o utente, para o cidadão, para o cliente, fazer mais com menos”. “Temos que inovar, mas, para isso, temos que adorar aprender e aprender a aprender, ter pensamento e competências críticas”, completou a especialista.   Mesa-redonda “Formar para Inovar” junta especialistas em Barcelos A mesa-redonda “Formar para Inovar” reuniu, na manhã desta quarta-feira, em Barcelos, vários especialistas nacionais nas áreas da Formação, da Educação e da Gestão de Pessoas. Domingos Lopes, presidente da Comissão Diretiva do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, interveio no painel sobre “Experiências de Formação e aprendizagem com impacto”, sublinhando a importância da “aposta na Educação e na Formação”. Nesse sentido, felicitou a Misericórdia de Barcelos pelo evento e em particular por “este novo serviço para a comunidade, para a sociedade, também pela importância da qualificação dos seus trabalhadores”, mas, defendeu, “mais importante é esse papel da importância social da Formação na sociedade”. Na sua intervenção, Domingos Lopes atentou na aplicação dos fundos comunitários para a valorização das pessoas e frisou que “os fundos estruturais não financiam nem Estado nem empresas nem organizações, financiam projetos que, em última instância, têm como destinatários as pessoas e o aumento da qualidade de vida das populações europeias”. Num outro painel – “Formar para inovar e Inovar na formação” – Carla Organista, da Academia Misericórdia do Porto, considerou que “inovar em formação é inovar em todas as fases: na elaboração do diagnóstico, na conceção, na organização, no planeamento e, depois na avaliação”. Ora Carlos Ribeiro, da Caixa de Mitos – Agência para a Inovação Social”, defendeu que “não há inovação sem um sentido de autoavaliação muito duro, muito forte. O processo de inovação tem que estar ligado a sistemas e ecossistemas de desenvolvimento das próprias organizações”. A mesa-redonda “Formar para Inovar” reuniu, na Misericórdia de Barcelos, oito dezenas de pessoas, entre colaboradores da Instituição e representantes de entidades da região Norte – sobretudo de centros de formação e IPSS –, bem como vários especialistas nacionais nas áreas da Formação, da Educação e da Gestão de Pessoas. A tarde foi reservada aos colaboradores da instituição e englobou três momentos: uma visita guiada ao Núcleo Museológico e Arquivo Leonor; uma atividade de Coaching, orientada por Carina Mano, onde foi ‘trabalhado’ o espírito de equipa, a importância de chegar a um consenso e a resolução de problemas; e, para terminar, uma oportunidade de convívio no Open air para tod@s, na Casa da Eira.   [ALBUM:405]

Ver Mais
22 Jun
trabalho-da-santa-casa-de-barcelos-e-reconhecido-internacionalmente

Trabalho da Santa Casa de Barcelos é reconhecido internacionalmente

A Santa Casa da Misericórdia de Barcelos (SCMB) é uma das entidades participantes no projeto internacional SALUD 60+/Health+60, onde apresentou a intervenção realizada junto das pessoas idosas, concretamente o projeto “Mentes Ativas” e a Metodologia de Cuidado Humanitude. “Mentes Ativas” é direcionado para doentes com diagnóstico de demência ou com défice cognitivo de ligeiro a moderado. O projeto engloba diversas atividades que, através de estratégias de orientação para a realidade, permitem ajudar a pessoa com demência a restabelecer o contacto com o seu meio envolvente. O “Mentes Ativas” foi desenvolvido, de modo piloto, no Lar de Santo André, no início do 2019, tendo sido, depois, alargado às restantes estruturas residenciais para pessoas idosas (ERPI) da SCMB. Já a Metodologia de Cuidado Humanitude apresenta-se como um importante contributo para as pessoas cuidadas e colaboradores do Lar da Misericórdia e Lar Rainha Dona Leonor, tendo alcançado resultados positivos. O foco está em humanizar cuidados, respeitar a autonomia e singularidade das pessoas de quem se cuida, dando atenção aos pormenores e repensando práticas dos cuidados. As boas práticas e a experiência da SCMB no trabalho com pessoas idosas foram partilhadas pela técnica Joana Carvalho, em atividades de LTTA (Learning, Teaching, Training Activities) nas quais participou, em Madrid (Espanha), Larnaka (Chipre) e Patras (Grécia).   O projeto "Salud+60"/ "Health+60" é desenvolvido pela KERIGMA - Instituto de Inovação e Desenvolvimento Social de Barcelos (Portugal), FEUP (Espanha), DAFNI KEK (Grécia) e EUROCULTURE (Chipre), sendo apoiado pelo programa Erasmus+ (ação-chave 2), financiado com o apoio da Comissão Europeia. O projeto "Salud+60"/ "Health+60" tem como objetivo principal “contribuir para o desenvolvimento de programas de formação sanitária para pessoas com mais de 60 anos de idade, numa perspetiva de educação de adultos”, através de um “intercâmbio de boas práticas em relação à promoção da sensibilização e autogestão da saúde física, emocional e social”. Pode saber mais em https://www.salud60.eu/  [ALBUM:404]

Ver Mais
17 Jun
misericordia-de-barcelos-mantem-aposta-na-formacao-de-colaboradores

Misericórdia de Barcelos mantém aposta na formação de colaboradores

Nas últimas semanas, têm sido realizadas várias ações, com vista ao reforço de competências dos colaboradores da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos ou, noutros casos, uma atualização de conhecimentos. Na sequência de parceria com a Essity, foram realizadas várias sessões, destinadas a profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas (ERPI) e Unidade de Cuidados Continuados Integrados. “Abordamos a incontinência urinária, portanto, como é que ela se desenvolve e as diferenças entre homens e mulheres; em termos de prevenção de COVID, a utilização de equipamentos de proteção individual (EPI), nomeadamente as luvas e as batas. Para finalizar, falamos sobre a infeção urinária, que é um tema premente”, explicou Miguel Cunha, enfermeiro responsável pela dinamização das sessões, considerando tratar-se de questões que importa esclarecer para que a função de cada um possa ser desempenhada com mais qualidade. [ALBUM:403] Também no mês de maio, decorreu a formação intitulada "Técnicas de Atendimento", com vista a capacitar os colaboradores para a adoção de um “estilo de comunicação ao seu interlocutor, utilizando a comunicação positiva” e adequação dos comportamentos “às diferentes situações de relacionamento com clientes, colaboradores e fornecedores”.  Ao longo das sessões, foram abordados vários conteúdos, como as principais regras de atendimento ao público ou enfrentar situações delicadas reforçando o saber/fazer relacional, fidelizando clientes.    [ALBUM:401] Entretanto, prosseguem, até à próxima semana, as palestras sob o mote “Água Segura”, pelo engenheiro Diogo Navarro, com sensibilização para o controlo e qualidade da água para consumo humano. As palestras estão a ser desenvolvidas no âmbito de um projeto com o mesmo nome, no qual a nossa Instituição está envolvida.   [ALBUM:402]

Ver Mais
13 Jun
ucci-faz-festa-a-santo-antonio

UCCI faz festa a Santo António

Santo António, Santo António/ És o nosso santo popular/ Na UCCI de Santo António/ A ti vamos dançar e cantar!!!” A Misericórdia de Barcelos vive, por estes dias, ambiente de festa e diversão, com a celebração dos santos populares. As festividades começaram já, na Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) de Santo António, para se celebrar o santo que dá nome à unidade, também conhecido como “santo casamenteiro”. Na quinta-feira, houve Eucaristia e, depois, marchas, manjericos, cantorias e animação.   [ALBUM:400]

Ver Mais
09 Jun
maio-2022

maio | 2022

DATAS COMEMORATIVAS ASSINALADAS NA SCMB Maio foi mês de comemoração de várias datas significativas para a Santa Casa da Misericórdia de Barcelos (SCMB). O Lar de Santo André completou, a 19 de maio, 20 anos ao serviço das pessoas idosas; o Lar Nossa Senhora da Misericórdia comemorou o 32.º aniversário; e foi realizada uma eucaristia de ação de graças pelos 523 anos da Santa Casa de Barcelos. Mas houve mais! Logo no dia 5, a Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) de Santo António assinalou o Dia Mundial da Higiene das Mãos, sensibilizando para a lavagem das mãos como uma importante medida de prevenção da transmissão de infeções.  [ALBUM:397] Ainda na área da Saúde, na UCCI, foi assinalado o Dia do Enfermeiro, com a oferta de uma lembrança simbólica, como forma de destacar e reconhecer a importância destes profissionais na prestação de cuidados às pessoas doentes. [ALBUM:396] CELEBRAR A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA Por iniciativa da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, celebra-se, anualmente, a 15 de maio, o Dia Internacional da Família. Para assinalar a data, a Misericórdia de Barcelos promoveu a iniciativa “Caminhar em Família”, a 21 de maio. Mas, antes disso, já durante a semana, as crianças que frequentam as unidades operacionais da SCMB foram realizando trabalhos e atividades alusivos à data. [ALBUM:394] UTENTES DAS ERPI VIVEM, COM DEVOÇÃO, O MÊS DE MARIA À semelhança do que aconteceu em anos anteriores, Maio, mês de Maria, foi vivido com devoção e Fé, pelos utentes que vivem nas estruturas residenciais para pessoas idosas. Ao longo do mês, foram vários os momentos de oração e introspeção. [ALBUM:395] Já na UCCI, foi criado e exposto um terço de grandes dimensões, para comemorar o 13 de maio, dia de Nossa Senhora de Fátima.   Por fim, deixamos registo fotográfico de algumas atividades realizadas no Lar de Santo André, com os utentes a aproveitarem o bom tempo e o espaço exterior e ainda momentos de bem-estar e diversão com um simpático animal de estimação - o cão, concretamente, o Kiko. [ALBUM:398]

Ver Mais
09 Jun
os-tombos-da-gafaria-da-misericordia-de-barcelos-e-os-seus-523-anos

Os Tombos da Gafaria da Misericórdia de Barcelos e os seus 523 anos

Durante décadas, a data da fundação da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos oscilou entre os anos 1500 e 1520, não havendo consenso entre os investigadores. Na falta de uma prova documental precisa, a data que acolheu, até hoje, uma maior aceitação é 12 de maio de 1520, data do alvará régio de D. Manuel I a ordenar a fusão da Gafaria e Hospital existentes em Barcelos na Santa Casa da Misericórdia desta então ilustre vila. Nos últimos dois anos, com uma aposta crescente na área da Cultura da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, tem sido feito o tratamento e descrição arquivística do seu arquivo histórico, agora denominado Arquivo Leonor, que levou a avanços científicos em termos de dados históricos. Um dos estudos realizados, que está a ser preparado para publicação, é o dos Tombos da Gafaria de Barcelos. Os quatro tombos estão compilados num único volume, com datas entre 1464 e 1499, e é precisamente o quarto tombo, com data de 1499, que nos diz no seu título:   Tombo das propriedades e bens que pertencem ao esprital desta villa que ora são anexados ahos bens desta santa casa da mysericordia. Começado no anno de 1499 annos     Aqui temos uma evidência de que, no ano de 1499, quando foram tombados os bens e propriedades que pertenciam ao hospital da vila de Barcelos, a Santa Casa da Misericórdia já existia, o que faz recuar um ano à data de 1500, que também era apontada como a da fundação desta instituição. Por isso, celebramos, em 2022, 523 anos de serviço ao próximo e aos mais desprotegidos da sociedade. Os tombos da Gafaria de Barcelos são excecionais pelos pormenores e pelo facto de terem sobrevivido até aos nossos dias, num conjunto documental compilado no século XVIII com supervisão de Manuel Felgueiras Gayo, então secretário e, logo depois, provedor, desta Casa. Neles podemos encontrar os tipos de cereais semeados/cultivados, o seu rendimento, quem geria estas herdades onde várias vezes é mencionado o nome e a profissão, que tipo de pagamentos deveria efetuar, a localização de todas estas propriedades e seus topónimos, muitos deles hoje desaparecidos. Em primeiro lugar, colocamos a seguinte questão: O que é uma gafaria? Era um local, normalmente afastado dos centros urbanos, onde viviam as pessoas que padeciam de lepra. Ana Maria Rodrigues refere que, para aceder a uma gafaria, era necessário ter uma ligação ao concelho onde ela estava sediada, quer por naturalidade quer por ter sido aí que havia sido contraída a doença. Esta restrição no acesso dos leprosos podia ser contornada se o rei desse uma licença. Estes locais deviam estar munidos de todas as dependências necessárias para a sua autossuficiência para evitar as saídas para o exterior. Assim, na maior parte das gafarias, havia jardins com hortas e pomares, onde se colhiam os legumes e frutos usados na dieta dos leprosos. O poço também era fundamental pois eles não deviam aproximar-se das fontes nem dos poços para não contaminarem as águas. Eram as pessoas sãs que lhes serviam água. Edifícios incluídos nas gafarias: celeiros e adegas, currais e para morada dos gafos e dos sãos. Em segundo lugar: O que é um tombo? Um tombo é um inventário autêntico de bens de raiz com as suas demarcações e confrontações, daí a expressão – que outrora se usava e que agora caiu em desuso – que é tombar algo ou alguma coisa, ou seja, inventariar. Por conseguinte, eram instrumentos de gestão e organização de propriedades fundamentais para as instituições que detinham o domínio de um território, muitas vezes distante e disperso. Indo mais além, estes documentos revelam-nos como se relacionava a misericórdia, nos seus primórdios, com o concelho de Barcelos e suas elites. O tombo de 1464 tem como um dos agentes da sua escrita Cristóvão Afonso, escrivão do concelho da vila. Já o de 1488 informa-nos dos homens bons e vereadores reunidos na câmara em reunião para dar início ao processo de apegação das terras. O tombo de 1498 dá-nos a conhecer o mercador Pero Vaz e o tabelião público e escudeiro Afonso da Ponte, deixando traçar um pouco do que seria o universo socioprofissional da Vila de Barcelos de finais do século XV. Por tudo isto, gostaríamos de deixar uma nota acerca da razão de ser e importância de instituições como as gafarias e, sem querermos ser exaustivos, aqui deixamos algumas notas da sua relevância. Os tombos são, efetivamente, fontes de grande importância para o conhecimento de aspetos da história local, pois permitem-nos obter um conjunto de informações, de caráter social, económico e administrativo, muito relevante que nem sempre se encontram noutro tipo de documentação. No século XVI, consequência manifesta duma política de centralização régia, este tipo de documento teve grande difusão, podendo ser considerado como uma marca reveladora do desenvolvimento e organização das instituições que os promoviam. As potencialidades dos tombos, como fonte histórica, são diversificadas, como afirma o historiador Cristiano Cardoso, desde logo para a História Rural e da Agricultura, dado que constituem um manancial quase inesgotável de informações sobre o regime de posse e exploração da propriedade e o regime de transmissão do domínio útil, a sua dimensão e parcelamento, as culturas privilegiadas e as que, entretanto, desapareceram, a existência, distribuição, posse e divisão de águas. Para a Genealogia, os tombos são de importância fundamental para alargar os limites cronológicos impostos pelos registos paroquiais, assim como para complemento e aferição desses mesmos fundos. Podem, muitas vezes, acrescentar dados familiares, sociais, profissionais e psicológicos ao perfil de um indivíduo, atribuindo-lhe cunhos de personalidade. No âmbito da História do Direito são também importantes, pois tratava-se de instrumentos com valor jurídico, no decorrer do qual eram apresentados e, regularmente, transcritos documentos acessórios como procurações, éditos, cartas de compra e venda, de escambo, de doação, entre outros, em que todos os participantes eram ajuramentados sob os Santos Evangelhos, desde as partes (senhorio e caseiro), até aos apegadores, juiz, quadrilheiro (porteiro ou chamador), testemunhas, homens bons das terras, confrontadores. O documento diplomaticamente obedecia a um protocolo bem definido, cujas regras não podiam ser omissas, nem adiantadas ou antecipadas. Para a Arqueologia, pela identificação e localização rigorosa de topónimos que fixaram a memória da presença e atividade do homem ao longo dos séculos. Ou, por exemplo, para o estudo da paisagem antiga através da integração e compreensão do sítio arqueológico no complexo paisagístico da época. D. Manuel I, no decorrer da sua ação de centralização régia e reformas administrativas, funda as misericórdias que agregariam o património dos múltiplos e pequenos organismos de benemerência das vilas. O processo implicou um trabalho de recolha de dados estatutários e patrimoniais, que passou tanto pela compilação da documentação existente, como pela elaboração de novas e sistemáticas séries. Já a Professora Isabel dos Guimarães Sá nos diz que, no norte de Portugal, seria o funcionário régio Diogo Borges a deambular por terras de Barcelos, Braga, Guimarães, Viana e Caminha. Aliás, os nossos tombos também foram redigidos sob a supervisão desta figura. Deste modo, podemos considerar que os tombos se afirmam, por tudo isto que já invocamos, como repositórios da memória social numa determinada época, que extravasa o domínio da história de apenas uma instituição ou localidade para alcançar o campo da História Nacional, permitindo conhecer de perto aspetos quotidianos da vida humana que o tempo teima em desvanecer.   BIBLIOGRAFIA ROMÃO. Ramiro (2004). A reorganização manuelina da assistência em Barcelos. os casos da gafaria e do hospital do concelho. In CONGRESSO HISTÓRICO DE GUIMARÃES. 3 - D. Manuel e o seu tempo: atas. Guimarães: Câmara Municipal. CARDOSO, Cristiano (2008). O Tombo da Igreja de São Salvador de Lousada de 1532: Estudo e transcrição. In Revista Oppidum,ano 4, número 3, pp. 153-185. RODRIGUES, Ana Maria (2013). Gafos e gafarias no Portugal medievo. Resumo da intervenção da autoria de Ana Maria Rodrigues, proferida na sessão do NHMOM de dia 23 de fevereiro de 2013. Disponível em:  https://ordemdosmedicos.pt/wp-content/uploads/2017/09/Gafos_e_gafarias_Ana_Maria_Rodrigues.pdf SÁ, Isabel (2004). Introdução [a] Portugaliae Monumenta Misericordiarum. 3. Lisboa: União das Misericórdias Portuguesas, pp.7-21.

Ver Mais
1
2
3
4